Quarta, 21 Dezembro 2022

Lixo Zero: Câmara vai prestar assessoria para implementação do projeto na Defensoria Pública do Rio

Órgãos assinaram termo de cooperação para certificação Lixo Zero

Renan Olaz
Lixo Zero: Câmara vai prestar assessoria para implementação do projeto na Defensoria Pública do Rio

O reconhecimento do Palácio Pedro Ernesto como o primeiro prédio público do país com a Certificação Lixo Zero, ocorrida em maio deste ano, começou a gerar resultados. Além de atingir o índice de boas práticas, com 91,5% de seus resíduos destinados à compostagem ou reciclagem – que deixaram de ser enviados para lixões e aterros sanitários –, o exemplo da Câmara Municipal está inspirando outras instituições a adotar práticas ambientalmente sustentáveis. 

Na terça-feira (20), o parlamento carioca assinou um termo de cooperação técnica com a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) para compartilhar experiências e ajudar o órgão estadual a obter a certificação. A cooperação tem como objetivo compartilhar o conhecimento obtido na Câmara Municipal, bem como oferecer apoio técnico operacional para a implementação do conceito na sede administrativa do órgão. 

“O acordo visa ampliar a eficiência na geração de resíduos do edifício sede da DPRJ, tendo como meta o máximo aproveitamento e correto encaminhamento dos resíduos recicláveis e orgânicos, e a redução – ou mesmo o fim –, do encaminhamento destes materiais para aterros sanitários e\ou para a incineração”, esclarece o coordenador de sustentabilidade da Câmara Rio, Bernardo Egas.

A coordenadora de sustentabilidade ambiental da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, Camila Valls, explica que, atualmente, a destinação adequada de recicláveis da sede administrativa do órgão na capital encontra-se em torno de 15% dos resíduos gerados, sendo a meta superar 90% para a obtenção do Certificado Lixo Zero.  “Esta parceria com a Câmara Municipal vai melhorar ainda mais a gestão dos resíduos, que teve início com a adoção da coleta seletiva, em março deste ano. Com a implementação do Programa Lixo Zero, daremos início à separação dos orgânicos (borra de café, cascas e sementes de frutas consumidos no local), entre outras ações, na busca pela ampliação do percentual de recicláveis que, muitas vezes, ainda não são descartados de forma adequada”, explica Valls.

Para o presidente da Câmara Rio, vereador Carlo Caiado (PSD), a Certificação Lixo Zero do Palácio Pedro Ernesto é um reconhecimento de que o Legislativo carioca está no caminho certo, servindo como inspiração para que outros órgãos e instituições cuidem melhor do meio ambiente, gerindo adequadamente os resíduos produzidos. “Nós somos a Casa do Povo e temos que dar o exemplo, sobretudo nessa questão da educação ambiental. Desta forma, é uma satisfação muito grande estabelecer essa parceria como a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro. Estaremos sempre à disposição para trocar experiências com todos os interessados em minimizar a geração de lixo e encaminhá-los para destinos ambientalmente corretos”, ressaltou.

 

Conceito Lixo Zero

O conceito de lixo zero funciona como uma meta para guiar pessoas e instituições a mudarem as suas práticas a fim de incentivar os ciclos naturais sustentáveis, em que todos os materiais são destinados adequadamente para permitir sua recuperação e uso pós-consumo. A partir de premissas éticas, econômicas e eficientes, a metodologia promove maneiras específicas de cuidar dos resíduos que são jogados fora. Também são propostas medidas de ação pública e privada que minimizem os impactos do aquecimento global.

 

Resultados

De acordo com o levantamento realizado pela Coordenação de Sustentabilidade da Câmara Rio, a geração dos resíduos sólidos no Palácio Pedro Ernesto é de resíduos não perigosos inertes e não inertes – como orgânicos, papel, papelão, madeira, plásticos em geral e metal – e resíduos perigosos, como lâmpadas, pilhas e baterias, óleo de cozinha, solventes, cartuchos de tinta de impressora e resíduos de serviço de saúde. A estimativa é que o Palácio gera cerca de 500 quilos de resíduos/mês.

Além do estabelecimento de um novo fluxo de resíduos, da instalação dos coletores, da identificação de soluções para o correto encaminhamento de todos os produtos gerados (reciclagem, compostagem e logística reversa) e da identificação de solução para compostagem in loco, o Plano de Ação da Câmara Municipal contempla o treinamento de colaboradores, palestras de educação ambiental e divulgação de materiais educativos. 

 

 

Veja também:

Jun 17, 2024

Pauta semanal: projetos sobre São Januário e novo Autódromo entram em votação

Sem uma pista para competições de automobilismo desde 2012, a cidade do Rio de Janeiro…
Jun 14, 2024

Rio TV Câmara exibe Reportagem Especial sobre os novos parques urbanos da cidade

Capital da Eco 92 e da Rio+20, conferências que são marcos nas discussões sobre a…
Campanha de doação de sangue realizada pela Câmara em parceria com o Hemorio
Jun 14, 2024

Junho Vermelho: conheça as iniciativas da Câmara do Rio para estimular a doação de sangue na cidade

A doação de sangue salva vidas. Como parte de suas ações para estimular a cidadania…
Jun 14, 2024

Eleições 2024: palestra tem inscrições encerradas, e será transmitida pelo Youtube

A fim de tirar dúvidas e orientar assessores, partidos políticos, vereadores, candidatos…
Jun 13, 2024

Rio pode ter programa de atendimento às vítimas de preconceito religioso e racial

A fim de criar mecanismos de atendimento a vítimas de preconceito religioso e racial na…
Última modificação em Sexta, 05 Abril 2024 18:08

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia
Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121
E-mail: ascom@camara.rj.gov.br

Mapa do site



© 2021-2024 Câmara Municipal do Rio de Janeiro