Quarta, 17 Janeiro 2024

Agora é Lei: Prefeito sanciona Plano Diretor da cidade

A medida estabelece diretrizes para o ordenamento e o desenvolvimento urbano sustentável do município pelos próximos 10 anos

Após dois anos de discussões, 34 audiências públicas em diversas regiões da cidade e a análise de mais de mil contribuições populares recebidas via internet, a Lei Complementar 270/2024, que dispõe sobre revisão do Plano Diretor de desenvolvimento urbano e a política ambiental do município para a próxima década foi sancionada, com vetos, pelo prefeito Eduardo Paes, nesta quarta-feira (17). O texto estabelece diretrizes para o uso e ocupação do solo, regras de zoneamento, índices urbanísticos e áreas de especial interesse social, articuladas com as áreas econômico-financeiras e administrativas.

“Esse foi o plano do diálogo, da escuta, da participação. Todos foram ouvidos. Diferentes ideias, partidos diversos, todos tiveram o mesmo espaço. É o exemplo do que acredito como democracia e cuidado com a coisa pública, haja vista a participação ativa da população, do Ministério Público e da nossa procuradoria durante todo o processo legislativo”, ressaltou o presidente da Câmara Municipal, vereador Carlo Caiado (PSD).

Inovações

Entre as mudanças trazidas pelo Plano Diretor está o novo zoneamento da cidade, que passa de quatro para sete macrozonas, e a implementação da Outorga Onerosa do Direito de Construir, que prevê o pagamento de contrapartida para as construções que superarem o Coeficiente de Aproveitamento Básico (CAB) de um terreno, destinando para o coletivo a valorização de imóveis decorrente de uma determinada ação pública.

“A aprovação da Outorga Onerosa para recuperar imóveis e viabilizar investimentos para o fundo de habitação e moradias de interesse social, bem como da mudança do zoneamento, adequando-o à realidade da cidade, vão possibilitar a elaboração de políticas públicas que promovam o desenvolvimento econômico de forma mais sustentável, permitindo que a cidade avance de forma organizada”, pontuou o Presidente da Comissão Especial do Plano Diretor, vereador Rafael Aloisio Freitas (Cidadania).

Outras inovações contidas no Plano Diretor são o IPTU Progressivo e o Termo Territorial Coletivo. O primeiro prevê a instituição de uma cobrança para imóveis vazios e subutilizados com o objetivo de revitalizar áreas vazias. Pelo texto, proprietários desses locais, após serem notificados e não cumprirem a obrigação de dar destinação ao imóvel, terão um acréscimo nos valores do IPTU anual por até cinco anos, podendo chegar até mesmo à desapropriação do imóvel. 

Já o Termo Territorial Coletivo caracteriza-se pela gestão coletiva da propriedade de terra com a titularidade individual das construções em comunidades e assentamentos irregulares. O objetivo é prevenir contra especulações imobiliárias e remoções, mantendo as decisões sobre o local nas mãos da própria comunidade.

 

Apoio técnico

Para auxiliar os parlamentares e suas equipes com um assessoramento técnico, a Câmara do Rio firmou uma parceria com o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam) para atuar de forma consultiva, ajudando a organizar as propostas e consolidar as emendas parlamentares. Das mais de 1.200 emendas apresentadas, cerca de 400 foram aprovadas e incluídas no projeto enviado para autógrafo do Poder Excutivo.

Relatora do projeto, a vereadora Tânia Bastos (Rep) agradeceu a dedicação dos especialistas. “Quero registrar a presença de técnicos que trabalharam conosco e deram de tudo para nos ajudar a promover uma discussão ampla, democrática e participativa”, agradeceu. Para o Líder do governo na Câmara do Rio, vereador Átila A. Nunes (PSD), “é  inegável que houve muita dedicação e democracia neste processo para que tivéssemos o melhor Plano Diretor para a cidade do Rio”, disse. 

Foco nas favelas 

Ex-presidente da Comissão de Assuntos Urbanos da Câmara do Rio, a vereador a licenciada Tainá de Paula (PT) chamou a atenção para um ineditismo deste Plano Diretor. “Sou uma arquiteta e urbanista que há 20 anos trabalho neste tema na cidade do Rio de Janeiro e no Brasil. E nunca na história da cidade o Plano Diretor se dedicou ao planejamento urbano das favelas. Finalmente, foi inserido um capítulo sobre elas como uma unidade que merece respeito e dignidade. Isso é fundamental porque vai orientar para onde vão os recursos do Fundo de Habitação e do Fundurb”, celebrou.

 

Vetos

O prefeito Eduardo Paes vetou 77 dispositivos aprovados pelos vereadores alegando, de forma geral, vício de iniciativa. Dentre eles, foi vetado o artigo sobre instalação de clubes e estandes de tiro; o que previa prioridade a famílias chefiadas por mulheres, populações negras, indígenas, LGBTQIAP+ e minorias sociais no capítulo da Locação Social, e a determinação segundo a qual a criação de novas unidades de conservação precisaria passar pela Câmara. 

A partir de agora, o Poder Legislativo voltará a analisar os vetos após o fim do recesso parlamentar. Os vetos podem ser rejeitados com a aprovação da maioria absoluta dos membros da Casa, ou seja, 26 votos. Caso isso aconteça, o trecho anteriormente vetado seria validado. 

Plano Diretor é um instrumento previsto nos marcos da Constituição Federal e do Estatuto da Cidade (Lei Federal nº 10.257/2001) e deve ser atualizado periodicamente, uma vez que as cidades são dinâmicas e se transformam ao longo do tempo, devendo ser revisto pelos municípios no máximo a cada dez anos. 

 

 

 

Veja também:

Maio 21, 2024

Parlamentares e amigos se despedem do vereador Professor Célio Lupparelli

O saguão do Palácio Pedro Ernesto foi tomado de saudade e emoção na tarde desta…
Maio 21, 2024

Novo autódromo do Rio: audiência dá a partida para votação de projeto de lei

A Câmara do Rio iniciou, na manhã desta terça-feira (21), a discussão sobre o Projeto de…
Maio 21, 2024

Câmara do Rio oferece vacinação contra influenza

Mantendo o compromisso de promover a cidadania, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro abre…
Maio 21, 2024

“Câmara Solidária”: campanha já realizou três envios para o RS e arrecadou cerca de 34 toneladas em doações

Após mais um envio realizado nesta terça-feira (21), a Câmara Municipal do Rio de Janeiro…
Maio 21, 2024

Iluminação pública por LED já ultrapassou meta e teve mais de R$ 1,8 bi investidos

A meta de substituição de lâmpadas de iluminação pública nas ruas do Rio foi…
Última modificação em Segunda, 11 Março 2024 15:14

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia
Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121
E-mail: ascom@camara.rj.gov.br

Mapa do site



© 2021-2024 Câmara Municipal do Rio de Janeiro